Dona Mocinha 

 

Dona Mocinha caminha e canta cantigas, poeminhas e pequenas histórias vividas de suas andanças pelo meio do mundo. Em sua roda de gente, confabula com os pequenos instrumentos companheiros de viagem. São histórias populares que vive na boca do povo, poesias populares perdidas no imaginário. Aos miudinhos detalhes que carrega trás a tona o encontro de rodas pelos quintais e aos brinquedos populares.

Lendas nordestinas

 

Esta apresentação é inspirada nos seres considerados entes mitológicos fantástico e misterioso. Guardiã das matas, com as suas artimanhas protegem a natureza e animais contra as investidas de predadores da natureza. Protege a caça contra os caçadores, desorientando-os com seus assobios e fazendo com que eles fiquem perdidos na mata. Esses seres adoram receber presentes como mingau, confeite e mel. As lendas são apresentadas com fios de canções populares, poesias e brincadeiras.

Pachamama

 

É um bordado de histórias de mulheres e da sabedoria e ancestralidade feminina para os dias atuais.  Através de contos, cotas e poemas a contadora de histórias leva o público para diversos cantos. O desejo é aproximar as crianças e adultos de suas ancestralidades e que possam respeitar a mãe-terra.  

 

Adaptação dos textos do Eduardo Galeano, Clarissa Pinkola e Marina Colassanti

35628851_10216072054651502_3491155619568
.Passageira.

 

É uma intervenção poética, que nasceu na Escola Estadual de Teatro Martins Penna com a professora Morena Paiva. Nasceu do desejo da artista de levar poesia para as pessoas de forma íntima e sutil. Propõe cativar o riso e a alegria no encontro das pessoas com a poética nordestina.

A artista fala de dia-a-dia, de amor, de sabedoria popular. A cada encontro ela recita e a público tira um poema da cesta como quem tira a sorte e leva pra casa.